06/02/2024 strategic-culture.su  9 min 🇸🇹 #242307

As três vertentes do 'ataque de enxame' de Biden

🇫🇷 🇬🇧 🇪🇸

Alastair Crooke

Os EUA aparentemente pretendem encontrar uma forma de ferir as forças iranianas e da Resistência apenas o suficiente para mostrar que Biden está "muito zangado", escreve Alastair Crooke.

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

"Os iranianos têm uma estratégia, e nós não", disse um ex-alto funcionário do Departamento de Defesa dos EUA  Al-Monitor:"Estamos atolados em questões táticas - sobre quem atacar e como - e ninguém pensa estrategicamente".

O ex-diplomata indiano MK Bhadrakumar cunhou o termo "ataque de enxame/enxameação" para descrever  este processo de atores não estatais que atolaram os EUA no desgaste tático - do Levante ao Golfo Pérsico. [Leia  nossa tradução do artigo aqui.]

A "enxameação" tem sido associada mais recentemente a uma evolução radical na guerra moderna (mais evidente na Ucrânia), onde a utilização de drones de enxame autônomos, comunicando continuamente entre si através de IA, seleciona e dirige o ataque aos alvos identificados pelo enxame.

Na Ucrânia, a Rússia tem perseguido um desgaste paciente e calibrado para expulsar os ultranacionalistas de extrema-direita do campo de batalha (no centro e leste da Ucrânia), juntamente com os seus facilitadores ocidentais da OTAN.

As tentativas de dissuasão da OTAN em relação à Rússia (que recentemente se transformaram em ataques "terroristas" dentro da Rússia - ou seja, em Belgorod) não conseguiram produzir resultados. Em vez disso, a estreita adesão de Biden a Kiev deixou-o politicamente exposto, à medida que o zelo dos EUA e da Europa pelo projeto implode. A guerra atolou os EUA, sem qualquer saída eleitoralmente aceitável - e todos podem ver isso. Moscou atraiu Biden para uma elaborada teia de desgaste. Ele deveria 'sair' rápido - mas a campanha de 2024 o prende.

Assim, o Irã tem definido uma estratégia muito semelhante em todo o Golfo, talvez inspirada no conflito na Ucrânia.

Menos de um dia após o ataque à Torre 22, a base militar  ambiguamente empoleirada na membrana entre a Jordânia e a base ilegal dos EUA al-Tanaf na Síria, Biden prometeu que os EUA dariam uma resposta rápida e determinada aos ataques contra ele no Iraque e na Síria (pelo que ele chama de milícias "ligadas ao Irã").

Simultaneamente, porém, o porta-voz da Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, afirmou que os EUA não querem expandir as operações militares contra o Irã. Tal como na Ucrânia, onde a Casa Branca tem sido relutante em provocar uma guerra total em Moscou contra toda a OTAN, assim como na região, Biden está (com razão) cauteloso com uma guerra aberta com o Irã.

As considerações políticas de Biden neste ano eleitoral serão predominantes. E isso, pelo menos em parte, dependerá da calibração precisa por parte do Pentágono do grau de exposição a ataques de mísseis e drones das forças dos EUA no Iraque e na Síria.

As bases ali são "alvos fáceis"; um fato seria uma admissão embaraçosa. Mas uma evacuação apressada (com implicações dos últimos voos de Cabul) seria pior; poderia ser eleitoralmente desastroso.

Os EUA aparentemente pretendem encontrar uma forma de ferir as forças iranianas e da Resistência apenas o suficiente para mostrar que Biden está "muito zangado", mas sem talvez causar danos reais - ou seja, é uma forma de "psicoterapia militarizada", em vez de política dura.

Os riscos permanecem: bombardear demasiado e a guerra regional mais ampla atingirá um novo nível. Bombardeie muito pouco e o enxame simplesmente avança, "enxameando" os EUA em múltiplas frentes até que finalmente ceda - e finalmente sai do Levante.

Biden encontra-se assim numa guerra secundária exaustiva e contínua com grupos e milícias, em vez de Estados (que o Eixo procura proteger). Apesar do seu carácter miliciano, a guerra tem causado grandes danos às economias dos Estados da região. Eles compreenderam que a dissuasão americana não tem mostrado resultados (ou seja, com Ansarallah no Mar Vermelho).

Alguns desses países - incluindo o Egito, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos -  iniciaram medidas "privadas" que não foram coordenadas com os EUA. Eles não estão apenas falando com estas milícias e movimentos, mas também diretamente com o Irã.

A estratégia de "enxamear" os EUA em múltiplas frentes foi claramente declarada na recente reunião "Formato Astana" entre a Rússia, o Irã e a Turquia, de 24 a 25 de Janeiro. Este último triunvirato está ocupado preparando o fim do jogo na Síria (e, em última análise, na Região como um todo).

Em  declaração conjunta após a reunião do Astana Format no Cazaquistão, MK Bhadrakumar  observou:

"é um documento notável baseado quase inteiramente no fim da ocupação da Síria pelos EUA. Insta indiretamente Washington a desistir do seu apoio a grupos terroristas e aos seus afiliados "que operam sob diferentes nomes em várias partes da Síria" como parte das tentativas de criar novas realidades no terreno, incluindo iniciativas ilegítimas de autogoverno sob o pretexto de "combater terrorismo.' Exige o fim da apreensão e transferência ilegal de recursos petrolíferos pelos EUA "que deveriam pertencer à Síria"".

A declaração, portanto, define claramente os objetivos. Em suma, a paciência esgotou-se relativamente ao fato de os EUA armarem os Curdos e tentarem revitalizar o ISIS, a fim de perturbar os planos tripartidos para um acordo na Síria. O trio quer os EUA fora.

É com estes objetivos - insistindo em que Washington desista do seu apoio aos grupos terroristas e aos seus afiliados como parte das tentativas de criar novas realidades no terreno, incluindo iniciativas ilegítimas de autogestão sob o pretexto de "combater o terrorismo" - que a estratégia russa e iraniana 'Astana' para a Síria encontra pontos em comum com a estratégia da Resistência.

Esta última pode refletir uma estratégia global iraniana - mas a Declaração de Astana mostra que os princípios subjacentes também são os da Rússia.

Na sua primeira declaração substantiva após 07 de Outubro, Seyed Nasrallah (falando em nome do Eixo da Resistência como um todo) indicou um pivô estratégico da Resistência: Considerando que o conflito desencadeado pelos acontecimentos em Gaza estava centralmente ligado a Israel, Seyed Nasrallah sublinhou adicionalmente que o pano de fundo para o comportamento perturbador de Israel reside nas "guerras eternas" da América de dividir para governar em apoio a Israel.

Em suma, ele vinculou a causalidade das muitas guerras regionais da América aos interesses de Israel.

Então, aqui chegamos à terceira vertente da "enxameção de Biden".

Só que não são os atores regionais que estão planejando cercar Biden - é o próprio protegido da América: o primeiro-ministro Netanyahu.

Netanyahu e Israel são os principais alvos do "enxame" regional maior, mas Biden permitiu-se ser enredado por ele. Parece que ele não pode dizer "não". Então aqui está Biden: encurralado pela Rússia na Ucrânia; encurralados na Síria e no Iraque, e encurralados por Netanyahu e por uma Israel que teme que os muros se fechem ao seu projeto sionista.

Provavelmente não há aqui nenhum "ponto ideal" eleitoral para Biden, entre inserir a América numa guerra impopular e eleitoralmente desastrosa e total no Médio Oriente, e entre "dar luz verde" à enorme aposta de Israel na vitória sobre a guerra contra o Hiezbollah.

É improvável que a confluência entre a manobra fracassada da Ucrânia para enfraquecer a Rússia e a estratégia arriscada para a guerra de Israel contra o Hezbollah passe despercebida aos americanos.

Netanyahu também  está em uma situação difícil. Ele sabe que "uma vitória" que se reduza apenas à libertação dos reféns e a medidas de criação de confiança para estabelecer um Estado palestino, não restauraria a dissuasão israelense - dentro ou fora do Estado. Pelo contrário, iria corroê-la. Seria "uma derrota" - e sem uma vitória clara no sul (sobre o Hamas), uma vitória no norte seria exigida por muitos israelenses, incluindo membros-chave do seu próprio gabinete.

Lembre-se do clima em Israel: as últimas  enquete sobre Índice de Paz mostra que 94% dos judeus israelenses acham que Israel usou a quantidade certa de poder de fogo em Gaza - ou não o suficiente (43%). E três quartos dos israelenses consideram que o número de palestinos feridos desde outubro é justificado.

Se Netanyahu está encurralado, Biden também está.

Na terça-feira, o ex-Netanyahu disse:

"Não terminaremos esta guerra com nada menos do que a realização de todos os seus objetivos... Não retiraremos as FDI da Faixa de Gaza e não libertaremos milhares de terroristas. Nada disso vai acontecer. O que vai acontecer? Vitória total."

"Será Netanyahu capaz de se virar fortemente para a esquerda... entrando num processo histórico que porá fim à guerra em Gaza e conduzirá a um Estado palestino - juntamente com um acordo de paz histórico com a Arábia Saudita? Provavelmente não. Netanyahu chutou muitos outros baldes semelhantes antes de serem enchidos", opinou o comentarista veterano, Ben Caspit, em Ma'ariv (em hebraico).

Biden está fazendo uma grande aposta. É melhor esperar pela resposta do Hamas e da Resistência de Gaza à proposta de reféns. Os presságios, no entanto, não parecem positivos para Biden.

Altos funcionários do Hamas e da Jihad Islâmica responderam ontem à última proposta:

"A proposta de Paris não é diferente das propostas anteriores apresentadas pelo Egito... [A proposta] não conduz a um cessar-fogo. Queremos garantias para acabar com a guerra genocida contra o nosso povo. A resistência não é fraca. Nenhuma condição lhe será imposta" (Ali Abu Shahin, membro do gabinete político da Jihad Islâmica).

"A nossa posição é um cessar-fogo, a abertura da passagem de Rafah, garantias internacionais e árabes para a restauração da Faixa de Gaza, a retirada das forças de ocupação de Gaza, encontrar uma solução de habitação para os deslocados e a libertação dos prisioneiros de acordo com o princípio de todos por todos... Estou confiante de que caminhamos para a vitória. A paciência da administração americana está esgotando-se porque Netanyahu não está conseguindo resultados" (alto funcionário do Hamas, Alli Baraka).

Publicado originalmente por  Strategic Culture Foundation
Tradução:  The Saker Comunidad Latinoamericana

 strategic-culture.su

 Commenter