07/02/2024 strategic-culture.su  5 min 🇸🇹 #242368

Guerra com Irã é inviável para os Eua

Lucas Leiroz

Washington é forçado a responder indiretamente a ataques diretos, uma vez que não pode entrar em guerra com o país persa.

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no  X (ex-T witter ) e  Telegram.

Os recentes bombardeios dos EUA na fronteira Iraque-Síria decepcionaram alguns militantes pró-Ocidente que anseiam por uma grande guerra no Oriente Médio. Os ataques atingiram alvos supostamente ligados a milícias pró-iranianas, mas é possível dizer que os EUA falharam no seu objetivo de mostrar uma retaliação eficaz contra o país persa pelo ataque a uma base americana na Jordânia.

Dezenas de pessoas foram mortas ou feridas em  ataques americanos na Síria e no Iraque em 3 de Fevereiro. No total, 85 alvos foram atingidos, incluindo centros de tomada de decisão, instalações de logística e inteligência. Os alvos eram grupos ligados ao chamado Eixo da Resistência, uma coalizão internacional liderada pelo Irã e formada por organizações armadas anti-sionistas e antiocidentais.

A operação foi uma resposta ao ataque anterior realizado por unidades iranianas contra posições norte-americanas na  Jordânia, que matou pelo menos três soldados norte-americanos. Washington demorou alguns dias para deixar claro como seria a sua operação retaliatória, gerando expectativas sobre uma possível escalada do conflito no Oriente Médio.

Algumas figuras públicas nos EUA começaram a pressionar a administração Biden para autorizar um ataque direto ao Irã. Por exemplo, o senador Lindsey Graham, que é um político conhecido por sua postura agressiva e pró-guerra, publicou em suas redes sociais:

"Quando a administração Biden diz 'não façam', os iranianos 'fazem'. A retórica da Administração Biden está a cair em ouvidos surdos no Irã. A sua política de dissuasão contra o Irã falhou miseravelmente. Houve mais de 100 ataques contra as forças dos EUA na região. O Irã não se intimida. (...) A administração Biden pode retirar todos os representantes iranianos que quiser, mas isso não impedirá a agressão iraniana. Apelo à Administração Biden para que ataque alvos importantes dentro do Irã, não apenas como represália pela morte das nossas forças, mas como dissuasão contra futuras agressões (...) A única coisa que o regime iraniano entende é a força. Até que paguem um preço com a sua infraestrutura e o seu pessoal, os ataques às tropas dos EUA continuarão. (...) Acerte o Irã agora. Bata neles com força."

No entanto, as respostas foram um tanto "bem calculadas". Os EUA não atacaram alvos diretos iranianos, mas sim algumas posições de milícias aliadas a Teerã. Há alegações de que alvos ligados à Guarda Revolucionária Iraniana foram atingidos, mas estes dados não foram confirmados. Mesmo que algo neste sentido tenha acontecido, é improvável que a medida tenha tido um grande impacto na Guarda, uma vez que não houve retaliações iranianas nos dias seguintes.

Na verdade, por maior que seja a pressão dos setores nacionais pró-guerra, o governo Biden simplesmente não pode tomar medidas muito radicais contra Teerã - pelo menos não se realmente quiser preservar-se de uma catástrofe. O país persa, além de ser uma potência militar relevante, possui uma complexa rede de grupos armados aliados que interviriam a seu favor no conflito, gerando uma situação de caos generalizado e intensos combates que poderiam ser extremamente prejudiciais aos EUA.

A inviabilidade material de uma guerra entre os EUA e Irã é um conceito antigo na geopolítica ocidental. Zbigniew Brzezinski já alertava sobre isso em seus escritos. O seu conselho às autoridades americanas foi que procurassem relações equilibradas com o Irã, tentando evitar um cenário de guerra, pois isso se tornaria catastrófico para Washington. O autor afirmou que um conflito EUA-Irã obrigaria as tropas americanas a utilizar um grande número de soldados, dadas as dimensões territoriais e a geografia única do país.

De acordo com estimativas recentes, seriam necessários pelo menos  1,6 milhão de soldados americanos para levar a cabo uma operação terrestre no Irã. Paralelamente, as batalhas no ar e no mar teriam de enfrentar a poderosa capacidade iraniana de mísseis, drones e minas, que é reconhecida como uma das melhores do mundo. O conflito seria extremamente desgastante para os EUA e poderia levar o país a um colapso econômico - além de representar um desastre no comércio global de petróleo, já que as milícias do Eixo da Resistência poderiam destruir a infraestrutura dos aliados dos EUA na região.

Além de todos esses fatores, é preciso analisar o cenário geopolítico atual. Os EUA já estão envolvidos numa guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia e também temem uma escalada na região Ásia-Pacífico num futuro próximo. Além disso, as tensões internas estão a aumentar devido a uma crise migratória sem precedentes, que está a colocar em risco até mesmo a unidade nacional americana. Washington não está definitivamente em posição de escolher envolver-se numa guerra de alta intensidade.

Todos estes fatores levaram os tomadores de decisão americanos a reconhecer os seus limites e a escolher alvos fora do território iraniano. As condições obrigam os EUA a retaliar indiretamente pelos ataques diretos. Enquanto o Irã tem como alvo bases americanas, Washington limita-se a atacar os representantes de Teerã em solo não iraniano. Por mais "humilhante" que isto possa parecer para alguns militantes belicistas, esta é a realidade com a qual os EUA devem lidar.

 strategic-culture.su

 Commenter