08/02/2024 strategic-culture.su  7 min 🇸🇹 #242440

China e Rússia subjugam os Eua na arena do Talibã

Melkulangara Bhadrakumar

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

O reconhecimento diplomático do governo Talibã no Afeganistão em 31 de janeiro de 2024 pela China deve ser colocado entre dois outros movimentos de política regional de longo alcance de Pequim na era pós-guerra fria - os Cinco de Xangai em 1996 - mais tarde renomeados como Organização de Cooperação de Xangai em 2001 - e a Iniciativa Cinturão e Rotas anunciada pelo Presidente Xi Jinping em 2013.

Tem emergido uma arquitetura de segurança regional com as três vertentes acima referidas reforçando, complementando e intercambiando-se numa resposta criativa ao ambiente internacional em rápida transformação. Se a OCX marcou o regresso da China à Ásia Central depois de quase um século e a BRI criou uma enorme profundidade estratégica para a ascensão global da China, o movimento no Afeganistão possui características geopolíticas em relação ao Século Asiático.

No seu nível mais óbvio, Pequim enganou as tentativas sub-reptícias dos EUA nos últimos meses de regressar ao Afeganistão após a sua humilhante derrota militar e saída em 2021. A administração Biden produziu no domínio público um documento retroativo intitulado Estratégia Nacional Integrada para o Afeganistão no mesmo dia em que Xi Jinping recebeu a carta de credenciais do embaixador talibã no Grande Salão do Povo em Pequim, em 30 de janeiro.

O documento continha os seguintes elementos principais:

  • "Potências predatórias como o Irã, a China e a Rússia procuram vantagens estratégicas e econômicas (no Afeganistão) ou, pelo menos, colocam os EUA em desvantagem;
  • "Mesmo que - e enquanto - os Estados Unidos não reconheçam o Talibã como o governo legítimo do Afeganistão, devemos construir relações funcionais que cumpram os nossos objetivos (dos EUA)";
  • "Com os afegãos da diáspora, desencorajamos o apoio a um novo conflito armado através de representantes de grupos de resistência no Afeganistão - mais violência ou mudança de regime não é a solução para o Talibã";
  • "Devemos simultaneamente injetar quantidades sem precedentes de assistência humanitária no país, convencer o Talibã a adotar normas econômicas internacionais e defender incansavelmente a educação";
  • "Com os talibãs defendemos o acesso consular..."

O documento é um vergonhoso recuo da trovejante retórica dos EUA de que, a menos que os Talibãs cumprissem as suas condições, Washington condenaria o governo de Cabul ao ostracismo e congelaria as suas contas bancárias. Aparentemente, a administração Biden já não insiste nas suas exigências e está batendo às portas de Cabul para entrar.

Curiosamente, o documento, embora tomando nota das condições dos direitos humanos no Afeganistão e da ausência de um governo de base ampla em Cabul, reconhece que a mudança de regime já não é uma opção. Apela aos afegãos da diáspora (que se encontram em grande parte no Ocidente) para que se reconciliem com o governo de Cabul e procura uma presença consular para os EUA no Afeganistão.

Os EUA estão nervosos com as abordagens russa e chinesa em relação ao governo talibã. É concebível que precisemos de reavaliar o convite dos EUA ao chefe do exército paquistanês, General Asim Munir, para fazer uma visita de 5 dias à América no final de dezembro, participando em discussões com altos funcionários, incluindo o Secretário de Estado Antony Blinken e o Secretário Geral da Defesa Lloyd Austin. Voltando ainda mais longe, é também necessário contextualizar a  destituição do ex-primeiro-ministro paquistanês Imran Khan ("Talibã Khan") do poder pelos militares, com apoio americano. O papel do Paquistão torna-se crucial à medida que os Estados da Ásia Central se harmonizam com a Rússia e a China. (Veja meu blog  Decodificando o míssil do Irã, ataques de drones, em Indian Punchline, 18 de janeiro de 2024.)

Sentindo os movimentos americanos para regressar à Ásia Central e reiniciar o grande jogo, a Rússia e a China estão determinadas a manter-se dois passos à frente no envolvimento com o governo talibã. Certamente, o reconhecimento diplomático da China ao governo talibã está em coordenação com a Rússia. No mesmo dia em que Xi Jinping recebeu a carta de credenciais do embaixador talibã, os enviados especiais da Rússia e da China visitaram Cabul e participaram numa reunião sob a rubrica Iniciativa de Cooperação Regional convocada pelo governo talibã e que contou com a presença de diplomatas da Rússia, China, Irã, Paquistão, Índia, Uzbequistão, Turquemenistão, Cazaquistão, Turquia e Indonésia. O ministro das Relações Exteriores em exercício do Talebã, Amir Khan Muttaqi, discursou na reunião.

Mesmo assim, a decisão chinesa de reconhecer o governo talibã não pode ser vista através do prisma do grande jogo. Na esfera econômica, a China já é um grande interveniente no Afeganistão e o seu capital está crescendo. Da mesma forma, Cabul é uma defensora entusiasta da Iniciativa Cinturão e Rotas e, potencialmente, o Afeganistão é outra porta de entrada da China para a região do Golfo e para além dela. A China está planejando uma ligação rodoviária direta ligando Xinjiang ao Afeganistão através do Corredor Wakhan.

Finalmente, os trabalhos de construção do elo perdido na  Ferrovia China-Quirguistão-Uzbequistão também estão começando - uma nova rede logística estratégica da Eurásia ao longo da rota do Cinturão e Rotas que pode ligar o Afeganistão à China e ao mercado europeu.

Na verdade, a importância geopolítica da normalização China-Afeganistão deve ser medida em termos globais na situação mundial contemporânea. Um governo amigável em Cabul dá à China uma enorme profundidade estratégica para fazer recuar os movimentos hostis dos EUA na Ásia-Pacífico.

O resultado final é que a China está estabelecendo ligações formais com um movimento militante islâmico que outrora abrigou Osama bin Laden e isso está acontecendo num momento em que os EUA estão a demonizar os movimentos de resistência no Oriente Médio muçulmano e desencadearam uma campanha viciosa e perniciosa contra eles na Síria, no Iraque e no Iêmen. É claro que os movimentos de resistência no Oriente Médio muçulmano inspirar-se-ão no exemplo da China.

Do mesmo modo, a participação de 9 Estados regionais - Indonésia e Índia, em particular - na reunião regional organizada pelo governo talibã em Cabul é uma afirmação do Século Asiático. Ao discursar na reunião em Cabul, o ministro das Relações Estrangeiras talibã, Muttaqi, enfatizou que estas nações "deveriam manter diálogos regionais para aumentar e continuar a interação positiva com o Afeganistão". Muttaqi pediu aos participantes que aproveitassem as oportunidades emergentes no Afeganistão para o desenvolvimento da região e também "coordenassem a gestão de ameaças potenciais".

Ele sublinhou a necessidade de interações positivas com os países da região e pediu aos diplomatas que transmitissem aos seus países a mensagem do Talibã de uma "iniciativa orientada para a região", para que o Afeganistão e a região possam aproveitar conjuntamente as novas oportunidades em benefício da todos. Relatos na mídia afegã citaram Muttaqi dizendo que a reunião se concentrou em discussões para estabelecer uma "narrativa centrada na região, destinada a desenvolver a cooperação regional para um envolvimento positivo e construtivo entre o Afeganistão e os países regionais". (leia  aqui.)

Sem dúvida, a China mostrou agora que a era do imperialismo está enterrada para sempre e que as antigas potências coloniais deveriam perceber que os seus métodos duvidosos de "dividir para governar" já não funcionam.

A Estratégia Nacional Integrada do Departamento de Estado para o Afeganistão é essencialmente um vinho velho numa garrafa nova. Lendo nas entrelinhas, os EUA esperam reavivar as suas políticas intervencionistas no Afeganistão para fins geopolíticos, ao mesmo tempo que derramam lágrimas de crocodilo sobre a situação dos direitos humanos. O seu cálculo estratégico é uma mistura mórbida de geopolítica e neomercantilismo.

No entanto, é improvável que os Talibãs caiam nessa, sendo testemunhas da campanha de bombardeamento dos EUA contra nações muçulmanas numa escala industrial que remonta às duas décadas de ocupação ocidental do Afeganistão.

O documento retroativo do Departamento de Estado é uma reação instintiva da administração Biden à medida que se espalha a notícia de que Pequim está caminhando para o reconhecimento diplomático do governo talibã com o apoio ativo de Moscou e Pequim com o objetivo de criar um firewall para evitar mais manipulação da situação afegã pelo Ocidente. Sem um reconhecimento total, Moscou estendeu uma tábua de salvação vital para Cabul.

Não foi por acaso que Xi Jinping recebeu o novo embaixador talibã no Grande Salão do Povo em Pequim, no mesmo dia em que o governo talibã revelou a sua iniciativa regional.

Publicado originalmente por  indianpunchline.com
Tradução:  sakerlatam.org

 strategic-culture.su

 Commenter