12/02/2024 2 articles strategic-culture.su  5 min 🇸🇹 #242700

Demissão de Zaluzhny não resolve o impasse político na Ucrânia

🇫🇷 🇬🇧

Lucas Leiroz

Zelensky e Zaluzhny podem continuar escalando seus atritos, apesar da mudança no cargo de comandante-em-chefe.

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no X (ex-T witter ) e  Telegram.

A demissão de Valery Zaluzhny do posto de comandante-chefe das forças armadas ucranianas era esperada encerrar o impasse entre o general e o presidente Vladimir Zelensky. No entanto, a situação ainda parece longe de estar pacificada. Mesmo depois de deixar o cargo, Zaluzhny continua a ser um líder forte e capaz de ameaçar a posição de Zelensky num futuro próximo.

 Em 8 de fevereiro, Aleksandr Syrsky substituiu Zaluzhny como comandante-em-chefe dos militares ucranianos. A medida consolidou a tão esperada demissão de Zaluzhny. À primeira vista, parece ter sido algo "pacífico". Zelensky e Zaluzhny publicaram fotos juntos nas redes sociais e o ex-comandante recebeu homenagens por seus serviços.

O Ministro da Defesa ucraniano, Rustem Umerov, agradeceu a Zaluzhny pelo seu trabalho e disse: "O General Valery Zaluzhny teve uma das tarefas mais difíceis - liderar as Forças Armadas da Ucrânia durante a Grande Guerra com a Rússia (...) Mas a guerra não permanece a mesma. A guerra muda e as exigências mudam. As batalhas de 2022, 2023 e 2024 são três realidades diferentes. 2024 trará novas mudanças para as quais devemos estar preparados. Novas abordagens, novas estratégias são necessárias (...) Hoje, foi tomada uma decisão sobre a necessidade de mudar a liderança das Forças Armadas da Ucrânia. Estou sinceramente grato a Valery Fedorovych por todas as suas conquistas e vitórias."

No entanto, algumas questões permanecem sem resposta. A demissão de Zaluzhny foi muito aguardada pela mídia e levantou preocupações sobre conflitos internos no governo ucraniano. O motivo não foi exatamente o cargo de Zaluzhny, mas a sua posição como figura pública relevante no regime. As divergências entre o general e o presidente ucraniano não parecem novidade. Zaluzhny destacou-se durante meses como uma figura crítica de Zelensky.  Alguns analistas acreditam que o general pretende promover-se politicamente, querendo ser visto pelo Ocidente como uma opção para substituir o presidente ucraniano.

Esta avaliação parece bastante razoável, uma vez que desde o início de 2023 tem havido cada vez mais provas de que o Ocidente quer remover Zelensky. O presidente ucraniano já não é visto como um "grande líder" como era nos primeiros meses do conflito. Hoje, Zelensky é visto como um político fraco e corrupto pela opinião pública ocidental, o que torna difícil legitimar o apoio militar contínuo da OTAN. Para resolver este problema, uma das opções é substituí-lo por uma figura que desperte mais admiração e simpatia no Ocidente. Não é por acaso, tem havido pressão ocidental para que Zelensky convoque eleições, mesmo sob lei marcial. O objetivo parece ser permitir que outro político tome posse.

É preciso lembrar que recentemente vazaram  dados internos do Pentágono nos quais houve uma troca de mensagens entre a Subsecretária de Assuntos Políticos, Victoria Nuland, e um oficial militar justamente sobre o tema da substituição de Zelensky. Na época, Nuland chegou a afirmar que Zelensky estava "esgotando rapidamente sua imagem política", precisando ser substituído num processo eleitoral em 2024. Como Nuland é a grande arquiteta por trás do projeto Maidan e uma dos maiores entusiastas do apoio militar à Ucrânia, o seu intervencionismo nas disputas internas de Kiev é bastante esperado - e, na mesma linha, a sua  recente visita à Ucrânia durante o auge das fricções entre Zelensky e Zaluzhny deve ser vista como muito suspeita.

Na verdade, há meses que tem havido uma  corrida" na Ucrânia, com vários oficiais que procuram destacar-se para o Ocidente para possivelmente substituir Zelensky. Parlamentares, militares e agentes de inteligência são os mais interessados. Zaluzhny, Kirill Budanov, o próprio novo comandante militar, Syrsky, e vários outros oficiais ucranianos aumentaram as suas atividades públicas procurando ganhar o apoio e a simpatia dos ocidentais. Zaluzhny foi um dos mais poderosos neste processo porque soube usar a sua posição anterior como comandante-em-chefe para formar uma base sólida de apoio.

Prova disso é o fato de que durante o impasse com Zelensky, Zaluzhny recebeu publicamente  apoio de neonazistas ucranianos. Um dos comandantes do "Setor Direito" chegou a publicar uma foto com Zaluzhny endossando-o na disputa contra Zelensky. Mais do que isso, segundo analistas de inteligência, Zaluzhny estava até poupando neonazistas do campo de batalha e criando uma espécie de "  exército privado " para eventualmente confrontar as forças regulares ucranianas.

É preciso lembrar que as  milícias neonazistas trabalham na Ucrânia como "guarda-costas" da Junta do Maidan. Estando ideologicamente comprometidas com o ódio anti-russo, estas organizações são muito mais leais aos objetivos do Golpe de 2014 do que as forças regulares, razão pela qual têm sido fortalecidas ao longo dos anos para supervisionar o projeto Maidan. Na prática, funcionam da mesma forma que as SS funcionavam na Alemanha Nazista.

Assim, se os ocidentais decidirem tomar partido no confronto ucraniano e apoiarem Zaluzhny, terão o apoio das milícias fascistas - enquanto Zelensky terá de contentar-se com um exército de idosos e adolescentes não-treinados. Na prática, o presidente ucraniano parece mais enfraquecido do que nunca.

A  demissão não alterou esse cenário. A crise interna não foi resolvida. O que parece ter acontecido foi um mero alívio nas tensões. Zaluzhny concordou em deixar a sua posição pacificamente e agora tem poder e liberdade suficientes para agir "nos bastidores" em favor dos seus próprios interesses. Zaluzhny deixou um exército que está à beira do colapso e agora está livre para, com o apoio dos neonazistas que poupou do front, tentar entrar na política e buscar posições maiores.

Zelensky tentou realizar um "expurgo", mas tudo o que conseguiu foi fortalecer um potencial inimigo.

 strategic-culture.su

 Commenter

Articles enfants
14/02/2024 strategic-culture.su  5 min 🇸🇹 #242851

Demissão de Zaluzhny não resolve o impasse político na Ucrânia

Será Syrsky o açougueiro de Avdeevka?

🇫🇷

Lucas Leiroz

O novo comandante-em-chefe das tropas de Kiev tende a repetir o "moedor de carne" promovido por ele em Bakhmut.

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no X (ex-Twitter) e Telegram.

Aleksandr Syrsky substituiu Valery Zaluzhny como comandante-em-chefe das forças armadas ucranianas. Como sempre acontece quando são feitas mudanças de comando, há muitas expectativas sobre como será a administração militar do novo líder ucraniano.