05/07/2024 mondialisation.ca  10min 🇸🇹 #251880

Autoridades de saúde alemãs cederam à pressão política sobre as políticas da Covid, mostram documentos recém-divulgados

🇫🇷

Par  John-Michael Dumais

Documentos internos recentemente divulgados pelo Instituto Robert Koch (RKI), a agência federal de controlo e prevenção de doenças da Alemanha, revelam uma forte desconexão entre o conhecimento especializado e as mensagens de saúde pública durante a pandemia da COVID-19.

 Stefan Homburg, especialista em finanças públicas e professor reformado da Universidade Leibniz de Hanôver, chamou a atenção do mundo anglófono para "The Abyss - Seven Shocking RKI-Files

Os documentos de janeiro de 2020 a abril de 2021 sugerem que os consultores científicos adaptaram as suas recomendações médicas e políticas sobre a COVID-19 para se alinharem com as diretivas políticas e não com as evidências disponíveis.

Comentando o vídeo de Homburg, o ex-vice-presidente da Pfizer,  Michael Yeadon, chamou a interferência política nas análises e recomendações científicas do RKI de "terrível" e o cumprimento contínuo do RKI de "covarde".

‘Este evento foi totalmente político'

O RKI desempenhou um papel fundamental na definição da resposta do país à  COVID-19. Os arquivos divulgados recentemente incluem atas de reuniões internas da equipe de gestão de crises da agência.

Inicialmente mantidos em sigilo, os  documentos vieram à tona em março — com alguns trechos fortemente redigidos — após  ação judicial do jornalista Paul Schreyer, autor do documentário "Paul Schreyer: Pandemic simulation games - Preparation for a new era? : Preparação para uma nova era?"

Posteriormente, o RKI disponibilizou publicamente mais de 2.500 páginas, em sua maioria não editadas, em 30 de maio, citando "interesse público no conteúdo dos protocolos da equipe de crise do COVID-19".

De acordo com a introdução do RKI aos ficheiros divulgados, as atas "refletem o discurso científico aberto em que diferentes perspectivas são abordadas e ponderadas".

O instituto alertou que as declarações individuais nos documentos "não representam necessariamente uma posição coordenada do RKI e nem sempre são compreensíveis sem o conhecimento do contexto".

 Yeadon escreveu: "Não creio que exista um documento equivalente que admita repetidamente que este evento foi totalmente POLÍTICO e que as decisões foram inteiramente conduzidas por pessoas políticas não tecnicamente qualificadas no topo do governo".

‘Os especialistas sabiam disso, mas afirmaram o contrário'

Homburg discutiu como os documentos do RKI expõem diversas discrepâncias entre as discussões internas de especialistas e as mensagens de saúde pública:

Gravidade da COVID-19: Ao contrário das mensagens públicas, as discussões internas sugeriram que a COVID-19 pode ser menos grave do que a gripe típica. "Mais pessoas morrem numa onda normal de gripe", diz uma entrada. "O principal risco de  morrer de COVID-19 é a idade."

"Certo – 83 anos para ser mais preciso, na Alemanha", disse Homburg.

Eficácia da máscara: Os arquivos mostram falta de  evidências que apoiem o uso generalizado de máscaras. "Não há evidências do uso de máscaras  FFP2 também conhecidas como N95, KN95 ou P2 fora da saúde e segurança ocupacional", observa uma nota de entrada, acrescentando que a informação "também poderia ser disponibilizada ao público".

"Em vez disso, o público foi enganado e forçado durante anos a usar máscaras FFP2", disse Homburg.

Fechamento de escolas: Os especialistas recomendaram  o fechamento de escolas apenas nas áreas fortemente afetadas. "O fechamento de escolas em áreas que não são particularmente afetadas não é recomendado", afirmam os documentos.

No entanto, Homburg observou: "Na mesma semana, os políticos decidiram fechar todas as escolas alemãs por meses".

Eficácia da vacina e imunidade coletiva: Já em janeiro de 2021, os especialistas do RKI questionaram a propaganda em torno  da imunidade coletiva. Uma nota diz: "Estamos nos despedindo da narrativa da imunidade coletiva por meio da vacinação?"

"O ensaio clínico anterior da Pfizer não demonstrou proteção contra doenças graves e nem sequer testou proteção contra transmissão", destacou Homburg. "Os especialistas sabiam disso, mas afirmaram o contrário em público e até mesmo perante os nossos tribunais."

 Efeitos colaterais da vacina: Um arquivo revela preocupações sobre os efeitos colaterais graves da vacina AstraZeneca. "A trombose sinusal é um efeito colateral da vacina AstraZeneca", afirma o documento. "Há também uma incidência 20 vezes maior em homens."

Homburg alegou que logo após esta declaração, "os políticos alemães fingiram ter recebido a vacina AstraZeneca". Ele mostrou imagens de vários jornais anunciando vacinações da chanceler  Angela Merkel, do ministro da Saúde  Karl Lauterbach e outros.

Apesar deste reconhecimento interno, Homburg observou: "Os especialistas não informaram a população sobre este perigo, mas insistiram que a AstraZeneca era segura e eficaz".

‘Corona foi uma fraude singular'

Os documentos revelam um nível preocupante de influência política nas recomendações científicas. Um verbete ilustra claramente essa pressão: "Risco ainda alto, ordem do Ministério Federal da Saúde: nada será alterado até primeiro de julho".

Esta diretiva aparentemente levou à promoção de avaliações de alto risco, apesar do declínio do número de casos. Homburg argumentou que esta interferência política ajudou a continuação dos mandatos pandêmicos.

"Na verdade, nada mudou durante três anos", disse ele. "Para recordar, no verão de 2020, os casos de Corona aproximavam-se de zero e o público queria a suspensão das medidas."

Os arquivos também expõem os receios dos especialistas de perderem as suas funções consultivas se não cumprirem as diretivas políticas. Uma entrada diz: "Se o RKI não cumprir o requisito político, existe o risco de os decisores políticos desenvolverem eles próprios indicadores e/ou deixarem de envolver o RKI em tarefas semelhantes".

"Corona foi uma fraude singular", concluiu Homburg. "O vírus substituiu a gripe, enquanto o número total de doenças permaneceu inalterado."

Políticos alemães divididos quanto à resposta

A divulgação dos documentos acendeu um debate acirrado sobre a gestão da pandemia COVID-19 na Alemanha, chegando ao Bundestag alemão. O texto a seguir foi adaptado da reportagem de Schreyer de 30 de abril na Corona - Aufarbeitung im Bundestag - Eine Meldung von Paul Schreyer (traduzido do alemão).

Em 24 de abril de 2024, o Parlamento deliberou sobre uma moção do grupo parlamentar Alternativa para a Alemanha (AfD) para estabelecer uma comissão de inquérito para rever o período Corona. A comissão proposta examinaria os limites dos direitos de intervenção dos governos estaduais e federais e revisaria os papéis dos atores relevantes, como o RKI.

O debate revelou divisões profundas entre os partidos políticos. A AfD e o Partido Democrático Livre (FDP) apoiaram a criação de uma comissão de inquérito, enquanto o Partido Social-Democrata (SPD) e os partidos Verdes (também denominados Aliança 90) se opuseram, defendendo abordagens alternativas, como um conselho de cidadãos. O grupo União Democrata Cristã (CDU) e União Social Cristã (CSU) sugeriu, em vez disso, um grupo de trabalho federal-estadual.

Alguns políticos expressaram preocupação com os arquivos RKI. Simone Borchardt, membro da CDU, argumentou que o tratamento dos documentos RKI – primeiro divulgando-os com supressões e depois permitindo o acesso a versões não redigidas – sugeria uma tentativa deliberada de  controlar ou limitar a informação.

O debate também abordou questões mais amplas, com alguns a pedirem amnistia para os cidadãos que violaram as medidas de confinamento. Outros alertaram contra a busca de bodes expiatórios ou a divulgação de "ideias de conspiração incompletas".

Desde o relatório de Schreyer, o cenário político na Alemanha mudou significativamente. As eleições parlamentares europeias de junho de 2024 registaram um declínio no apoio aos partidos da coligação no governo, enquanto a AfD, de extrema-direita, obteve ganhos substanciais, provavelmente fortalecendo a posição daqueles que criticam a resposta do governo à pandemia.

 Yeadon apelou a um maior ativismo para chamar mais atenção às revelações de Homburg e Schreyer, especialmente à luz do recente "ruído de ‘ gripe aviária‘" ou  gripe aviária.

"Esta tarefa não pode ser deixada a um pequeno número de nós com a informação, porque estamos tão eficazmente amordaçados em relação a alcançar um grande número de pessoas que os perpetradores já não estão preocupados com o fato de nos manifestarmos", escreveu ele.

Antecedentes de Homburg, críticas à pandemia

 A formação acadêmica de Homburg é diversificada, abrangendo economia, matemática e filosofia.

De 1996 a 2003, atuou no Conselho Consultivo Científico do Ministério Federal das Finanças da Alemanha. Ele também foi membro da Comissão de Federalismo do Bundestag e do Bundesrat de 2003 a 2004, e do Conselho de Sustentabilidade do Governo Federal de 2004 a 2007.

Ele é autor de vários livros sobre macroeconomia e teoria tributária e tem sido regularmente convocado como especialista para audiências do Bundestag sobre legislação tributária e financeira.

Homburg foi geralmente visto com bons olhos pela imprensa até 2020, quando começou a questionar as políticas pandêmicas da Alemanha. Desde então, escreveu artigos científicos e posts em blogs sobre a crise do coronavírus e temas relacionados, publicou podcasts e participou de entrevistas e talk shows.

Em abril de 2022, Homberg publicou, " Corona-GETwitter: Chronik einer Wissenschafts-, Medien- und Politikkrise" ("Corona Twitter-Storm: Chronicle of a Science, Media and Political Crisis"), onde apresentou seus  tweets relacionados à pandemia em X (anteriormente conhecido como Twitter).

John-Michael Dumais

Assista ‘The Abyss – Seven Shocking RKI-Files' de Homburg:

La source originale de cet article est  The Defender

Copyright ©  John-Michael Dumais,  The Defender, 2024

 mondialisation.ca

 Commenter