05/07/2024 strategic-culture.su  10min 🇸🇹 #251950

O Ocidente - indubitavelmente - perdeu a Rússia e está perdendo também a Eurásia

🇫🇷 🇪🇸

Alastair Crooke

Não é agora claro o propósito do Presidente Putin ao visitar a Coreia do Norte e o Vietnã no contexto do projeto de arquitetura de segurança da Eurásia

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

Talvez tenha havido um momentâneo abandono do sono em Washington esta semana, enquanto liam o relato démarche de Sergei Lavrov ao Embaixador dos EUA em Moscou: a Rússia disse aos EUA - "Não estamos mais em paz"!

Não apenas "não estamos mais em paz", a Rússia estava considerando os EUA os  responsáveis pelo "ataque coletivo" numa praia da Crimeia no feriado de Pentecostes do domingo passado, matando várias pessoas (incluindo crianças) e ferindo muitas mais. Os EUA "tornaram-se assim parte" da guerra por procuração na Ucrânia (foi um ATACM fornecido pelos EUA; programado por especialistas americanos; e com base em dados dos EUA), a declaração da Rússia disse; "Se seguirão certamente medidas retaliatórias".

Evidentemente, em algum lugar uma luz âmbar brilhou em tons de rosa e vermelho. O Pentágono percebeu que algo tinha acontecido - 'Não há como contornar isso; isto pode agravar-se gravemente". O Secretário de Defesa dos EUA (após uma pausa desde março de 2023)  pegou o telefone para chamar o seu homólogo russo: 'Os EUA lamentaram as mortes de civis; os ucranianos tinham total discrição na escolha dos alvos".

O público russo, no entanto, está furioso.

O jargão diplomático de "agora existe um estado intermediário; não guerra e não paz" é apenas "metade da questão".

O Ocidente  'perdeu' a Rússia muito mais profundamente do que se entende.

Presidente Putin - em  sua declaração ao Conselho do Ministério das Relaçõess Exteriores na sequência do barulho da agitação de espadas do G7 - detalhou como chegamos a esta conjuntura crucial (de escalada inevitável). Putin indicou que a gravidade da situação exigia uma oferta de "última chance" ao Ocidente, uma oferta que Putin disse enfaticamente ser "Nenhum cessar-fogo temporário para Kiev preparar uma nova ofensiva; nem um congelamento do conflito - mas, sim, precisava ser sobre a conclusão final da guerra".

Tem sido amplamente entendido que a única forma credível de acabar com a guerra na Ucrânia seria um acordo de "paz" que emergisse através da negociação entre a Rússia e os EUA.

Isto, no entanto, está enraizado na visão familiar centrada nos EUA - "Esperando por Washington...".

Lavrov comentou maliciosamente (em paráfrase) que se alguém imagina que estamos "à espera de Godot" e que "iremos correr atrás dele", está enganado.

Moscou tem em mente algo muito mais radical - algo que irá chocar o Ocidente.

Moscou (e a China) não estão simplesmente à espera dos caprichos do Ocidente, mas planejam inverter completamente o paradigma da arquitetura de segurança: Criar uma arquitetura "Alternativa" para o "vasto espaço" da Eurásia, nada menos.

Pretende-se sair do confronto de soma zero do bloco existente. Não se prevê um novo confronto; a nova arquitetura, no entanto, pretende forçar os "atores externos" a reduzir a sua hegemonia em todo o continente.

No seu discurso no Ministério das Relações Exteriores, Putin olhou explicitamente para o futuro, para o colapso do sistema de segurança euro-atlântico e para a nova arquitetura emergente: "O mundo nunca mais será o mesmo", disse ele.

O que ele quis dizer?

Yuri Ushakov, principal conselheiro de Política Externa de Putin (no Fórum Primakov Readings), esclareceu a alusão "esparsa" de Putin:

Ushakov teria dito que a Rússia tem cada vez mais chegado à conclusão de que não haverá qualquer remodelação a longo prazo do sistema de segurança na Europa. E sem qualquer grande remodelação, não haverá 'conclusão final ' (palavras de Putin) ao conflito na Ucrânia.

Ushakov explicou que este sistema de segurança unificado e indivisível na Eurásia deve substituir os modelos euro-atlânticos e eurocêntricos que estão agora caindo no esquecimento.

"Este discurso [de Putin no Ministério das Relações Exteriores da Rússia], eu diria, define o vetor de futuras atividades do nosso país no cenário internacional, incluindo a construção de um sistema de segurança único e indivisível na Eurásia", Ushakov disse.

Os perigos da propaganda excessiva ficaram evidentes num episódio anterior, em que um grande Estado se viu encurralado pela própria demonização dos seus adversários: a arquitectura de segurança da África do Sul para Angola e para o Sudoeste de África (atual Namíbia) também desmoronou em 1980 - (eu estava lá na época). As Forças de Defesa sul-africanas ainda retinham um resíduo de imensa capacidade destrutiva no norte da África do Sul, mas a utilização dessa força não estava produzindo qualquer solução ou melhoria política. Em vez disso, estava levando a África do Sul ao esquecimento (tal como Ushakov descreveu hoje o modelo euro-atlântico). Pretória queria mudanças; estava pronta (em princípio) para fazer um acordo com a SWAPO, mas a tentativa de implementar um cessar-fogo fracassou no início de 1981.

O maior problema era que o governo do apartheid sul-africano tinha tido tanto sucesso com a sua propaganda e demonização da SWAPO como sendo ao mesmo tempo 'marxista e terrorista' que o seu público recuava diante de qualquer acordo, e seria necessária mais uma década (e levaria uma geo-revolução estratégica) antes de um acordo finalmente se tornar possível.

Hoje, a "Elite" de Segurança dos EUA e da UE tem sido tão "bem sucedida" com a sua igualmente exagerada propaganda anti-Rússia que também eles estão presos nela. Mesmo que quisessem (o que não querem), uma arquitetura de segurança substituta poderia simplesmente revelar-se "inegociável" nos próximos anos.

Assim, como sublinhou Lavrov, os países da Eurásia chegaram à conclusão de que a segurança no continente deve ser construída a partir de dentro - livre e longe da influência americana. Nesta formulação, o princípio da indivisibilidade da segurança - uma qualidade não implementada no projeto euro-atlântico - pode e deve tornar-se a noção chave em torno da qual a estrutura eurasiana pode ser construída, especificou Lavrov.

Aqui, nesta "indivisibilidade", encontra-se a implementação real, e não nominal, das disposições da Carta das Nações Unidas, incluindo o princípio da igualdade soberana.

Os países da Eurásia estão unindo esforços para contrariar conjuntamente as reivindicações dos EUA sobre a hegemonia global e a interferência do Ocidente nos assuntos de outros Estados, disse Lavrov no Fórum de leituras de Primakov na quarta-feira.

Os EUA e outros países ocidentais "estão tentando interferir nos assuntos" da Eurásia; transferindo infraestruturas da OTAN para a Ásia; realizando exercícios conjuntos e criando novos pactos. Lavrov previu:

"Esta é uma luta geopolítica. Sempre foi isso; e talvez dure por muito tempo - e talvez não vejamos o fim deste processo. No entanto, é um fato que o caminho para o controle a partir do oceano de tudo o que ocorre em todo o lado - está agora contrariado pelo caminho para a união dos esforços dos países da Eurásia".

O início das consultas sobre uma nova estrutura de segurança ainda não indica a criação de uma aliança político-militar semelhante à OTAN; "Inicialmente, pode muito bem existir na forma de um fórum ou mecanismo de consulta entre os países interessados, não sobrecarregada com obrigações organizacionais e institucionais excessivas", escreve Ivan Timofeev.

No entanto, os "parâmetros" deste sistema, explicado por Maria Zakharova,

"... não só garantirá uma paz duradoura, mas também evitará grandes convulsões geopolíticas devido à crise da globalização, construída de acordo com os padrões ocidentais. Criará garantias político-militares fiáveis para a proteção tanto da Federação Russa como de outros países da macro-região contra ameaças externas, criará um espaço livre de conflitos e favorável ao desenvolvimento - eliminando a influência desestabilizadora de atores extra-regionais sobre Processos eurasianos. No futuro, isto significará reduzir a presença militar de potências externas na Eurásia".

Presidente Honorário da Rússia do Conselho de Política Externa e de Defesa, Sergei Karaganov, (em um entrevista recente), porém, insere sua análise mais sóbria:

"Infelizmente, estamos caminhando para uma verdadeira guerra mundial, uma guerra total. Os alicerces do velho sistema mundial estão abarrotados e os conflitos irão eclodir. É necessário bloquear o caminho que conduz a tal guerra... Os conflitos já estão fermentando e ocorrendo em todas as áreas".

"A ONU é uma raça em extinção, sobrecarregada com o aparelho ocidental e, portanto, irreformável. Bem, deixe-a permanecer assim. Mas precisamos de construir estruturas paralelas... Penso que deveríamos construir sistemas paralelos, expandindo os BRICS e a OCX, desenvolvendo a sua interacção com a ASEAN, a Liga dos Estados Árabes, a Organização da Unidade Africana, o Mercosul Latino-Americano, etc.".

"Em geral, estamos interessados em estabelecer um sistema multilateral de dissuasão nuclear no mundo. Assim, pessoalmente, não estou preocupado com o surgimento de novas potências nucleares e com o fortalecimento das antigas, simplesmente porque confiar na razão das pessoas não funciona. Deve haver medo. Deve haver maior confiança numa"dissuasão nuclear-medo, inspiração-sobriedade"".

O aspecto da política nuclear é hoje uma questão complexa e controversa na Rússia. Alguns argumentam que uma doutrina nuclear russa excessivamente restritiva pode ser perigosa, caso faça com que os adversários se tornem excessivamente confortaveis; isto é, que os adversários ficam pouco impressionados ou indiferentes ao efeito de dissuasão, de modo a descartar a sua realidade.

Outros preferem uma postura de último recurso. Todos concordam, no entanto, que existem muitas fases de escalada disponíveis para uma arquitetura de segurança eurasiana, para além da nuclear.

No entanto, a capacidade para um "bloqueio de segurança" nuclear em todo o continente contra uma OTAN equipada com armas nucleares é evidente: a Rússia, a China, a Índia, o Paquistão - e agora a Coreia do Norte - são todos Estados com armas nucleares, pelo que está incorporado um certo grau de potencial de dissuasão.

Outras "etapas de escalada" estarão sem dúvida no centro das discussões na cúpula dos BRICS em Khazan, em outubro. Pois uma arquitetura de segurança não é conceptualmente apenas "militar". A agenda abrange questões comerciais, financeiras e de sanções.

A simples lógica de inverter o paradigma militar da OTAN para produzir um sistema de segurança eurasiano "Alternativa" pareceria apenas através da força da lógica, argumentar que se o paradigma de segurança for invertido, então a hegemonia financeira e comercial ocidental também será invertida.

A desdolarização, claro, já está na agenda, com mecanismos tangíveis que provavelmente serão revelados em outubro. Mas se o Ocidente se sente agora livre para sancionar a Eurásia por capricho, também existe o potencial para a Eurásia sancionar reciprocamente tanto os EUA como a Europa - ou ambos.

Sim. "Perdemos" a Rússia (não para sempre). E podemos perder muito mais. Ainda não é claro o propósito do Presidente Putin ao visitar a Coreia do Norte e o Vietnã no contexto do projeto de arquitectura de segurança da Eurásia? Eles fazem parte disso.

E parafraseando o célebre poema de CP Cavafy:

Porquê esta súbita perplexidade, esta confusão? (Quão sérios os rostos das pessoas se tornaram).

Porque a noite caiu e os [russos] não vieram.

E alguns dos nossos homens que acabaram de chegar da fronteira dizem

não há mais [russos]...

"Agora, o que vai acontecer conosco sem [os russos]"?

"Eram uma espécie de solução".

Publicado originalmente por  Strategic Culture Foundation
Tradução:
 Comunidad Saker Latinoamericana

 strategic-culture.su

 Commenter