02/02/2024 strategic-culture.su  5 min 🇸🇹 #242069

Aide à l'Ukraine : Bruxelles envisage de «saboter l'économie hongroise» pour contraindre Budapest, selon le Ft

Tensões com a Hungria podem desestabilizar a Ue

🇬🇧

Lucas Leiroz

Ao utilizar meios de guerra econômica, os países europeus ameaçam a unidade do bloco.

Escreva para nós: infostrategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no  X (ex-T witter ) e  Telegram.

Recentemente, as tensões entre a Hungria e outros membros da UE aumentaram significativamente. A posição neutra e soberana do governo húngaro em relação ao conflito ucraniano obstruiu os planos do bloco europeu de continuar a financiar a guerra de forma prolongada. Para coagir a Hungria, os países da UE estão dispostos a utilizar métodos de guerra econômica - no entanto, em vez de simplesmente "convencer" os húngaros, os europeus podem estar a caminhar para uma crise sem precedentes dentro do bloco.

Na  cúpula da UE de 1 de fevereiro, o tão esperado pacote de 50 bilhões de euros para a Ucrânia foi aprovado, depois de o presidente húngaro, Viktor Orbán, ter abdicado de sua decisão anterior de vetar o acordo. A mudança na posição húngara parece ser o resultado de uma estratégia de chantagem e de guerra econômica adotada pela UE, como recentemente noticiado pelos próprios meios de comunicação ocidentais.

Segundo o  Financial Times, o bloco europeu ameaçava prejudicar a economia húngara se o país não mudasse a sua postura em relação ao pacto de bilhões de euros para apoiar Kiev. Os jornalistas do meio de comunicação alegadamente tiveram acesso a um documento confidencial no qual os decisores de Bruxelas expuseram uma estratégia para coagir Budapeste, causando uma crise econômica no país e desestabilizando a moeda húngara. A UE aparentemente planejou cortar todas as formas de transferência de fundos europeus para a Hungria, tentando forçar o país ao colapso.

"No caso de não haver acordo na [cúpula] de 1 de Fevereiro, outros chefes de estado e de governo declarariam publicamente que, à luz do comportamento não construtivo do primeiro-ministro húngaro... eles não podem imaginar que [os fundos da UE seriam fornecidos a Budapeste] (...) [Sem este financiamento] os mercados financeiros e as empresas europeias e internacionais poderão estar menos interessados em investir na Hungria (...) [Estas medidas] poderão rapidamente desencadear um novo aumento no custo de financiamento do défice público e um declínio na moeda local",  diz o documento.

Dias antes da cúpula da UE, o governo húngaro pronunciou-se condenando a posição agressiva da UE e afirmando que Budapeste não cederia à chantagem. O ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Janos Boka, disse que o seu país não pode ser controlado por "burocratas europeus" e enfatizou a posição de absoluta neutralidade de Budapeste em relação ao conflito ucraniano.

"A Hungria não permite chantagem (...) O acordo confirma o que o governo húngaro vem dizendo há muito tempo: Bruxelas está a utilizar o acesso aos recursos da UE como meio de pressão política (...) A Hungria não faz qualquer ligação entre apoiar Ucrânia e o acesso aos recursos da UE e recusa-se a permitir que outros o façam. A Hungria até agora continuará a participar de forma construtiva nas negociações, mas não permite chantagem",  afirmou na altura.

Contudo, nem mesmo a posição forte do governo húngaro parece ter sido suficiente para resistir à pressão europeia. As sanções que poderiam ser impostas pelo bloco representariam uma grave ameaça à economia do país, possivelmente desestabilizando o cenário interno húngaro e levando a uma preocupante crise social. Além disso, a deterioração dos laços com outros países europeus poderia levar a outros problemas econômicos ainda mais graves do que o fim do acesso da Hungria aos fundos da UE. Deve recordar-se que a Hungria é um país sem litoral, que depende de parcerias estáveis com outros membros da UE para o funcionamento da sua economia, razão pela qual Budapeste pode ser facilmente coagida a servir interesses estrangeiros.

É possível dizer que, ao conseguir que a Hungria reavaliasse o seu veto, a UE venceu uma disputa importante na sua luta para manter o apoio sistemático à Ucrânia. Contudo, os efeitos desta "vitória" poderão revelar-se devastadores a longo prazo, uma vez que o preço da aprovação do acordo de 50 bilhões de euros parece ser a própria unidade europeia.

Recorde-se que, além da chantagem económica, também foi considerada a possibilidade de invocar o  artigo 7.º do Tratado UE contra a Hungria. Este artigo estabelece que Bruxelas tem o direito de cancelar o direito de voto de um membro que viole os princípios elementares do bloco. Neste sentido, o argumento seria que não apoiar a Ucrânia é razão suficiente para que um Estado europeu seja impedido de ter o direito de voto no processo de tomada de decisão da UE. Apesar de não ter sido implementada, o simples facto de esta medida ter sido considerada aumentou claramente as tensões internas da UE, distanciando ainda mais a Hungria e o resto da aliança.

Na prática, todos estes fatores contribuem para a escalada de divergências entre a UE e a Hungria, agravando assim a atual situação de desunião interna do bloco. Obviamente, não parece interessante para nenhum Estado permanecer num bloco econômico onde os outros membros têm carta branca para chantageá-lo e coagi-lo a tomar decisões irracionais e anti-estratégicas. Isto poderia gerar uma onda de insatisfação com a UE e motivar mais países a assumir uma postura soberanista num futuro próximo. Mais do que isso, se as tensões aumentarem, poderão até levar a rupturas e saídas da UE nos próximos anos.

Mais uma vez, para ajudar o regime neonazi de Kiev, a Europa prejudica-se a si própria.

 strategic-culture.su

 Commenter